Educação Digital 8min de Leitura - 07 de maio de 2021

Pentest, tudo que você precisa saber

Homem tocando na tela de um tablet, realizando Pentest

This post is also available in: Português Español

Pentest

Você já ouviu falar em Pentest? Sabe o que significa esse termo? Sabe por que é importante para sua empresa?

Por falta de conhecimento em segurança digital, muitas empresas apresentam vulnerabilidades extremas em suas estruturas de redes, serviços e aplicações. Essas vulnerabilidades são potenciais ameaças, capazes de impactar direta ou indiretamente a corporação.

Como forma de contornar essas fragilidades não reconhecidas ou ignoradas, algumas técnicas foram desenvolvidas e aperfeiçoadas ao longo do tempo. Uma delas, por exemplo, é o Pentest.

Por meio dele, hackers éticos simulam ataques virtuais direcionados com o objetivo de encontrar fragilidades na segurança da empresa. Assim, é possível encontrar problemas, contorna-los e solidificar uma estratégia de defesa.

Neste artigo, traremos tudo sobre o Pentest, mostrando os principais tipos e os benefícios de aplicar essa técnica em sua empresa. Além disso, apresentaremos as melhores ferramentas disponíveis no mercado para profissionais da área.

Tópicos abordados:

  • O que é Pentest?
  • Principais tipos
  • Porque sua empresa precisa?
  • Benefícios Pentest
  • Como fazer?
  • Melhores ferramentas do mercado

O que é Pentest?

Pentest é a abreviação de Penetration Test (Teste de Penetração, em tradução literal), e também é conhecido como teste de intrusão, pois faz a detecção minuciosa com técnicas utilizadas por hackers éticos.

Esse teste tem como objetivo encontrar potenciais vulnerabilidades em um sistema, servidor ou, de forma geral, em uma estrutura de rede. O Pentest faz uso de ferramentas específicas para realizar a intrusão, que mostram quais informações ou dados corporativos podem ser roubados por meio da ação.

Assim, analistas de tecnologia terão a possibilidade de conhecer mais a fundo suas fraquezas e onde precisam melhorar. Os esforços e investimentos em Segurança da Informação passarão a ser focados nas debilidades da corporação, blindando a estrutura contra qualquer gargalo de segurança em potencial.

Pentest White Box, Black Box e Gray Box

Existem algumas maneiras de realizar testes de intrusão, sendo que cada uma delas terá uma eficiência diferenciada. Entre elas, podemos destacar a White Box, a Black Box e a Grey Box.

O teste White Box, ou “caixa branca”, é o Pentest mais completo que há, pois, parte por uma análise integral, que avalia toda a infraestrutura de rede.

Já o teste Black Box, ou “caixa preta”, é como um teste às cegas, pois segue a premissa de não possuir grande quantidade de informação disponível sobre a corporação. Esse é o teste mais próximo de seguir as características de um ataque externo. Ou seja, atua como os ataques de cibercriminosos.

O Pentest Grey Box, ou “caixa cinza”, é uma mistura do White Box e do Black Box. Ele possui certas informações específicas para realizar a teste de intrusão, mas a quantidade de informações é baixa. Esse é o tipo de Pentest mais recomendado.

Principais tipos de Pentest

Agora que você já sabe o que é o Pentest e conhece as três maneiras de realiza-lo, vamos fazer uma rápida abordagem sobre os principais tipos de Pentes disponíveis. Confira abaixo.

Teste em serviços de rede

São analises realizadas na infraestrutura de rede da corporação, procurando fragilidades que podem ser solidificadas. Neste quesito, é avaliado a configuração do firewall, testes de filtragem stateful, etc.

Teste em aplicação web

Se trata de um mergulho profundo no teste de intrusão, pois toda a análise é extremamente detalhada e vulnerabilidades são mais facilmente descobertas por basear-se na busca em aplicações web.

Teste de Client Side

Com esse tipo de teste, é possível explorar softwares, programas de criação de conteúdo e Web browsers em computadores dos usuários.

Teste em rede sem fio

Como o próprio nome já diz, esse teste examina todas as redes sem fio utilizadas em uma corporação. São realizados testes em protocolos de rede sem fio, pontos de acessos e credenciais administrativas.

Teste de engenharia social

Este teste é uma tentativa de induzir o colaborador a repassar itens que devem ser sigilosos. A engenharia social usa manipulação psicológica para extrair informações e dados confidenciais.

Todos esses testes possuem seu grau de importância em uma empresa, mas isso não significa que você precisa realizar todos eles. O profissional responsável por executar o teste de intrusão lhe dirá quais os testes recomendáveis para sua empresa.

Porque o Pentest é importante para sua empresa?

Pare por alguns segundos e pense nessas três questões:

  • Quão bem a minha empresa está preparada para ataques?
  • Estou pronto para um ataque?
  • Posso me recuperar de um ataque?

É possível responder essas dúvidas após realizar um Pentest, pois ele ajuda a empresa a enxergar possíveis vulnerabilidades em seu ambiente, que podem oferecer riscos em uma rede, sistema ou aplicação. O teste de penetração oferece resultados eficientes a organização, avaliando o nível de exposição do ambiente.

Esse tipo de teste leva mais tempo de execução se comparado a uma análise de vulnerabilidade, porém é mais preciso e eficaz, além de permitir uma visão real do risco e impacto para o negócio, possibilitando a descoberta de vulnerabilidades não conhecidas no ambiente corporativo.

Além disso, o Pentest traz inúmeros benefícios e vantagens, os quais você verá a seguir.

Benefícios do Pentest

Inúmeros ataques virtuais acontecem diariamente, em todas as partes do mundo. Eles atingem, na maioria das vezes, empresas desprevenidas que não seguem os procedimentos adequados de segurança corporativa.

Como consequência disso, testes de intrusão são procedimentos essenciais. Eles permitem encontrar vestígios de insegurança e perigos até então invisíveis, garantindo mais proteção para a empresa.

Alguns dos principais benefícios do Pentest são:

  • Garantir segurança aos dados do usuário;
  • Encontrar vulnerabilidades em aplicações, sistemas ou qualquer infraestrutura da rede corporativa;
  • Ter conhecimento dos impactos que potenciais ataques teriam;
  • Implementar uma estratégia de segurança otimizada e efetiva;
  • Evitar perdas financeiras ou de dados corporativos;
  • Auxiliar empresas a testarem a capacidade de sua cibersegurança;
  • Descobrir fragilidades no sistema de segurança antes que um cibercriminoso o faça;
  • Zelar pela reputação da empresa, uma vez que um teste de intrusão mostra o comprometimento em assegurar a continuidade do negócio e manter uma relação efetiva com a segurança corporativa;

Como realizar o Pentest?

Os profissionais que realizam o Pentest, conhecidos como pentesters ou hackers éticos, são especializados em ataques virtuais. A grande diferença de um hacker ético para um cracker, por exemplo, é que seus objetivos são positivos, sem intenção de causar qualquer prejuízo à empresa. Muito pelo contrário: eles são contratados para evitar prejuízos às empresas.

Para realizar tal tarefa, no entanto, é preciso realizar certos procedimentos – que vão do básico ao nível complexo. A seguir, exemplificamos eles para que você possa ter um conhecimento introdutório sobre os métodos utilizados para fazer um teste de intrusão.

Preparação e Planejamento

Nesse primeiro momento, é importante que os pentesters definam seus objetivos para o teste de intrusão ocorrer adequadamente. Se é para identificar vulnerabilidades na segurança de sistemas técnicos ou incrementar a segurança da infraestrutura organizacional, é necessário que essas “missões” estejam bem definidas.

Verificação

Na parte de verificação, é necessário que sejam coletadas informações preliminares sobre a estrutura. Isso inclui, por exemplo, endereços de IP, descrições de sistemas, arquitetura de rede, serviços públicos e privados, entre outros. É uma etapa muito importante, até porque determinará a forma e o tipo do Pentest.

Reconhecimento

Nesta parte da análise, o hacker ético focará seus esforços na utilização de algumas das ferramentas para analisar e reconhecer os ativos que são seu alvo. Assim, é possível pré-visualizar potenciais fragilidades e descobrir ameaças em rede, servidores e serviços. Sendo assim, é importante que o pentester se coloque no lugar de um cibercriminoso e pense como ele para que sua estratégia seja efetiva.

Análise de Informação e Riscos

Com o agrupamento e coleta de informações das etapas anteriores, este processo é um dos essenciais. Será buscado as possibilidades de sucesso na intrusão, assim como a análise dos riscos que o processo enfrentará durante todo o procedimento. Como a estrutura de rede já passou pelo reconhecimento inicial, o usuário pode optar por fazer essa análise somente nos sistemas que já foram pré-visualizadas certas vulnerabilidades.

Tentativas de Intrusão

Esta é uma das etapas mais sensíveis e, por esse motivo, necessitam cuidados extras. Agora que já foram analisados os riscos e o potencial sucesso da intrusão, serão identificadas as vulnerabilidades e a extensão de cada fragilidade. É a intrusão propriamente dita – o ataque realizado pelo hacker ético.

Análise Final

A análise final, também chamada de fase “pós-exploração”, é quase como uma certificação dos resultados obtidos nas análises anteriores. Assim, quando a estrutura é finalmente atacada e o pentester toma posse do sistema-alvo, o mesmo buscará por dados sensíveis que possam trazer prejuízos para a organização.

Relatórios

Para finalizar, o Pentest deve ser concluído por um relatório de todos os procedimentos. Isso inclui um resumo geral da operação, os detalhes de cada etapa, as informações coletadas e os resultados obtidos, além de dados sobre os riscos encontrados e sugestões para incrementar a segurança corporativa.

Pentest

Melhores ferramentas do mercado para Pentesters

Um bom Pentest deve ser realizado e aferido manualmente, ou seja, o profissional que o realiza deve ter um amplo conhecimento de técnicas hacker para encontrar e explorar as vulnerabilidades identificadas.

Este profissional é popularmente conhecido como pentester, ethical hacker ou White hat.

O profissional hacker ético usa os mesmos recursos utilizados pelos invasores. Portanto, ele precisa conhecer ferramentas tanto na visão sistêmica, como em sua aplicação prática.

Assim, ele conseguirá visualizar como um invasor poderia tirar vantagem de vulnerabilidades e até onde ele poderia chegar utilizando essas ferramentas.

Abaixo, separamos algumas das melhores ferramentas disponíveis no mercado para esses profissionais.

Burp Suite

Quando se trata de proxies transparentes, o Burp é uma ferramenta padrão.

Ele é utilizado para interceptar e manipular diretamente o tráfego web enviado e recebido pelas aplicações. Por padrão pode mapear alvos e scanear vulnerabilidades.

O software é intuitivo e fácil de usar, permitindo que novos usuários comecem a trabalhar de imediato. É altamente configurável e contém inúmeros recursos poderosos para ajudar os pentesters mais experientes com o seu trabalho.

NMAP

O nmap é uma das ferramentas criadas para administradores, auditores e profissionais de segurança. Possui inúmeras funcionalidades, sendo um coringa para esses profissionais.

Metasploit

Metasploit é uma ferramenta que possui uma versão open-source, e conta com um conjunto de módulos para investigar e explorar vulnerabilidades em inúmeros sistemas, aplicações, sistemas operacionais e outros.

O objetivo dele é prover um ambiente de pesquisa de exploração de vulnerabilidades.

Maltego

É uma ferramenta que permite de maneira simples e automatizada levantar informações relacionados ao alvo. Ele é OSINT (Open Source Intelligence), ou seja, ele coletada dados de fontes disponíveis publicamente.

Ophcrack

O Ophcrack é um software livre de código aberto que quebra senhas de logon do Windows usando hashes LM por meio de rainbow tables.

A ferramenta serve para ataques de discos de inicialização, como, por exemplo, MBR (Master Boot Record).

Hydra

A principal característica dessa ferramenta é ser um cracker de senha baseada em ataques de dicionário em modo online, executados em hosts remotos.

O Hydra é multitarefa, múltiplas credenciais e senhas podem ser usadas sobre um serviço. Assim, ele acelera significativamente o ataque.

Veil

O Veil possui uma característica que podemos chamar de “Lobo em pele de cordeiro”. Ou seja, ele mascara um conteúdo malicioso em uma informação aparentemente legitima.

John The Ripper

John é um dos melhores crackers de senha do mercado. Ele opera com ataques de dicionário em modo off-line e pode ser executado sobre um arquivo de senhas como o /etc/passwd.

NetCat

Conhecido como nc, é como um canivete suíço para administradores de redes, auditores e pentesters. É uma das mais antigas formas de auditoria e ferramenta administrativa.

DirBuster

É ferramenta utilizada para mapear arquivos e diretórios em um website. É uma ferramenta poderosa para encontrar, por exemplo, páginas de login ocultas.

Além das ferramentas citadas, existem muitas outras que são usadas por pentesters e também por cibercriminosos. Porém, os Pentesters usam para apontar vulnerabilidades em sistemas de seus clientes, mensurando até onde um invasor conseguiria chegar caso fosse explorar tais vulnerabilidades. Enquanto os cibercriminosos usam para tirar proveito próprio.

Precisando de auxílio para execução do Pentest em sua empresa? Conheça o serviço oferecido pela OSTEC com foco em Pentest e conte com a experiência de especialistas certificados para realização desta atividade.

Se ainda possui dúvidas sobre o tema, fique à vontade para contatar um de nossos especialistas.

This post is also available in: Português Español