Boas práticas para aplicação de um Portal Cativo

Conheça 6 boas práticas para aplicação de um Portal Cativo

Post disponível em / disponible en / available in: Português Español English

Tempo de leitura: 4 minutos

Independente de serem públicas ou privadas, muitas empresas e instituições prezam por diversos recursos que possam garantir a eficácia de sua rotina e segurança. Analistas de tecnologia investem cada vez mais, não somente em um bom controle de rede interna, mas também na possibilidade de providenciar internet para o público externo, como clientes e visitantes.

O Portal Cativo, nome dado à ferramenta que oportuniza esta ação com maior facilidade e segurança, é uma solução interessante para muitas corporações. Para que isso funcione adequadamente e esteja de acordo com as políticas corporativas, no entanto, existem algumas boas práticas para aplicação do recurso.

Portanto, buscaremos, por meio desse blog post, exemplificar o que é o Portal Cativo e quais suas vantagens para, logo em seguida, sugerir as boas práticas para a implantação dessa ferramenta altamente eficiente na gestão de acesso à rede corporativa.

Portal Cativo: o que é e quais os benefícios?

Portal Cativo é uma ferramenta que controla, de forma automatizada, o ingresso de visitantes em uma rede pública ou privada. Você certamente já entrou em um shopping, por exemplo, e teve que passar por um cadastro básico ao tentar utilizar o Wi-Fi. A ferramenta que permite isso é justamente o Portal Cativo, que faz o controle do ingresso em redes públicas ou privadas.

Dentre os inúmeros benefícios e vantagens da ferramenta, podemos citar a:

  • Identificação de usuários;
  • Coleta de dados;
  • Rastreabilidade de visitantes em casos de ameaças, fraudes ou ilegalidades;
  • Incremento na segurança corporativa;
  • Isolamento de redes corporativas das empresas.

Boas práticas

Embora seja um recurso que apresente possibilidades variadas, algumas instruções são necessárias para que o uso do portal cativo seja eficiente e positivo. A seguir, selecionamos algumas sugestões de boas práticas que analistas e gestores de tecnologia deveriam considerar ao realizar a aplicação da ferramenta.

Rede isolada

Ao disponibilizar o acesso à internet para clientes ou visitantes, é vital que a empresa/instituição faça uso de uma rede exclusiva para tal finalidade. Dessa forma, a rede interna, utilizada na rotina produtiva da corporação e pelos colaboradores, deve ser isolada da rede que possibilita o acesso à web para usuários externos. Mais do que uma medida de segurança, é uma questão de controle.

Cadastro simples

Uma prática comum, em se tratando de portal cativo, é determinar um processo de cadastro para controlar o ingresso dos usuários na rede. Durante este processo é indicado que sejam coletados dados válidos que possibilitem, futuramente, identificação facilitada do mesmo.

Controle de Banda

Outra grande necessidade é que a rede do portal tenha um link separado de internet ou utilize uma ferramenta de controle de banda. Dessa forma, os acessos externos não consumirão o recurso de internet destinado a operação da empresa. Caso exista esse conflito, ele precisa ser rapidamente revisado, para evitar prejuízos para o negócio.

Padronização de acessos

Além de uma rede isolada e um bom controle de banda, é essencial que seja feito uma padronização nos acessos. Isso quer dizer que a validação do usuário precisa estar passível de uso por apenas determinado tempo e, para voltar a usar, precisa fazer o credenciamento no portal novamente. Isso é uma medida de segurança para não usarem o acesso indevidamente.

Política de uso

A política de uso da internet é uma ótima forma de estabelecer um melhor controle sobre a web, inclusive dos acessos externos. Ela deve contemplar todas as especificidades do seu uso – o que é permitido e negado, assim como seu modelo de funcionamento – para que fique de acordo com as medidas de segurança adotadas pela corporação.

Segurança na rede

A segurança do usuário externo é essencial. Por esse motivo, é muito importante que analistas e gestores de tecnologia prezem por esse tipo de defesa. Uma boa forma, por exemplo, é exemplificar o que será feito com os dados obtidos no cadastro e a forma que serão mantidos, buscando deixar claro que é informação sigilosa, portanto, tudo irá respeitar a privacidade do visitante.

Assim que todas essas boas práticas foram executadas de forma eficiente, o portal cativo trará inúmeros benefícios por meio de uma comunicação de mão dupla: tanto a interna quanto externa.

Continue sua leitura

Állison Souza
allison.souza@ostec.com.br