Quando virtualizar é a melhor opção para o negócio?

Post disponível em / disponible en / available in: Português

Tempo de leitura: 5 minutos

As técnicas de virtualização surgiram como soluções formidáveis e começaram a se popularizar em meados da década de 90. Com o passar dos anos, as organizações passaram a entender que nem todos os hardwares físicos utilizados tinham seu potencial explorado plenamente. Algumas aplicações, por exemplo, só poderiam ser utilizadas em determinado tipo de hardware ou sistema operacional, fazendo com que a empresa investisse em estruturas de servidores específicas para atender cada demanda.

Foi assim que surgiu a virtualização e a solução para alguns desses problemas. Agora as empresas podem utilizar um determinado hardware para executar duas ou mais aplicações ou sistemas operacionais diferentes. Isso acabava com a necessidade de adquirir uma máquina nova para cada aplicação a ser executada o que gera economia, pois reduz, custos associados à aquisição de equipamentos e toda a infraestrutura necessária para a manutenção dos datacenters.

No entanto, ainda que tenha diversos pontos positivos, a virtualização não pode ser entendida como uma solução coringa que serve para todas as empresas. É importante que o analista de TI saiba avaliar quando virtualizar é a melhor opção para o negócio e, para isso, ele precisa entender todos os seus prós e contras.

Os benefícios da virtualização

Quando aplicada corretamente e em uma organização que realmente precisa desse tipo de solução, a virtualização pode trazer diversos benefícios:

  • Economia de energia devido menor número de servidores físicos;
  • Agilidade para desenvolver novos serviços com a criação de camadas lógicas;
  • Com a unificação de serviços em um único dispositivo físico fica mais fácil administrar os recursos de hardware;
  • Melhor aproveitamento do hardware, minimizando ociosidade dos equipamentos;
  • Compatibilidade com aplicações;
  • Economia de espaço físico;
  • Menor investimento em aquisição de hardware;
  • Mais consistência e facilidade para execução de procedimentos de backup;
  • Confiabilidade e agilidade no processo de recuperação de desastres.

Os contras da virtualização

Os pontos negativos associados a virtualização podem ser facilmente superados, quando os projetos são arquitetados por profissionais capacitados e com experiência de mercado.

Em caso de sobrecarga no hardware onde foram instaladas as VMs, todas estas serão afetadas. Por isso é necessário tomar medidas de contingência para evitar que uma indisponibilidade de hardware afete de forma massiva a operação da empresa.

  • Performance: Ambientes mal projetados, ou aplicações específicas, podem sofrer graves problemas de performance;
  • Disponibilidade: Em estruturas que não contam com contingenciamento, caso o equipamento responsável por gerenciar as máquinas virtuais pare, todas as aplicações a ele associadas ficarão indisponíveis, gerando indisponibilidade para a operação da empresa;
  • Profissionais: Encontrar profissionais especializados pode ser um desafio para empresas, dos mais variados portes e segmentos.

Soluções pagas ou open source?

No momento de escolher qual tipo de software será utilizado no projeto de virtualização, o analista deve fazer uma reflexão sobre as necessidades do negócio. A partir daí ficará mais fácil definir entre soluções comerciais ou open source.

As ferramentas open source tem um custo de aquisição baixo ou nulo, porém podem não ter todas as opções e configurações necessárias para o seu tipo de problema. Tais soluções também podem exigir uma curva de aprendizado maior, além de trazer uma sobrecarga de responsabilidade para o profissional de tecnologia, aumentando o volume de mandas críticas a serem gerenciadas.

Ferramentas comerciais, em via de regra, são mais robustas e menos suscetíveis a falhas, proporcionando maior tranquilidade aos profissionais de tecnologia das organizações. Estas também podem vir acompanhadas de serviços especializados, que garantem menor necessidade de intervenção dos profissionais de tecnologia das empresas e mais confiabilidade, contudo com um investimento mais elevado.

A capacidade de investimento e técnica do time de tecnologia, serão os balizadores para a escolha do tipo de solução e serviços a serem consumidos em projetos de virtualização. Cada caso deve ser avaliado levando em consideração particularidades do negócio.

Afinal, quando virtualizar é a melhor opção?

Virtualizar, normalmente é uma excelente opção para as empresas, independentemente do seu porte ou segmento de atuação. Contudo, é necessário que profissionais de tecnologia conheçam os recursos técnicos e financeiros disponíveis, para iniciar, ou não, projetos com foco em virtualização.

Na fase de definição uma das grandes dúvidas dos profissionais de tecnologia está associada ao modelo de implantação, podendo optar pelo desenvolvimento de competências técnicas internas para desenvolvimento do projeto, ou então contratar empresas especializadas para dividir a responsabilidade sobre esta demanda.

Optar por terceirizar, ou trazer esta responsabilidade para o time tecnologia da empresa, nem sempre é uma tarefa fácil, principalmente em negócios onde os times de tecnologia são mais enxutos, ou possuem menor capacidade de investimento. Avalie o nível de complexidade do seu projeto de virtualização e tome a decisão. Nesta fase é importante que o profissional de tecnologia busque referências junto a empresas especializadas, pois uma falha no dimensionamento da infraestrutura pode desencadear grandes dores de cabeça futuras.

Em resumo, caso existam muitas dúvidas e incertezas sobre o projeto de virtualização não deixe de contatar um especialista. Essa atitude pode reduzir drasticamente o tempo investido na fase de analise de viabilidade de um projeto de virtualização.

 

ostec
ostec@ostec.com.br